Segunda-feira, 7 de Abril de 2008

Ainda as PPPs na saúde

No DE.

 

Saúde 2008-04-03 00:05
Estado poupa 777 milhões com gestão privada na Saúde
Os grupos privados que vão gerir os hospitais de Cascais, Braga, Vila Franca de Xira e Loures garantem que gastarão menos 777 milhões do que o Estado.

Mário Baptista

A manutenção do modelo de gestão clínica e construção nos concursos públicos para os hospitais de Cascais, Braga, Vila Franca de Xira e Loures deverá  poupar ao Estado quase 800 milhões de euros.

De acordo com os dados oficiais do Ministério da Saúde, o Estado gastaria 2.926 milhões de euros se construísse e gerisse estes hospitais, mas os privados que foram aos concursos públicos públicos garantem que conseguem fazer o mesmo por 2.149 milhões.

Assim, se os compromissos que vão ser assinados com os grupos privados forem cumpridos, o Estado vai poupar 777 milhões de euros durante a vigência dos contratos de construção e gestão destes hospitais – dez anos para a parte clínica, trinta anos para a parte da manutenção do edifício.

Este modelo – que o Governo decidiu não aplicar nos seis hospitais que vão ser construídos nos próximos anos – motivou fortes críticas do sector privado, que acusou o Governo de não respeitar os compromissos assumidos.

Para o primeiro-ministro, no entanto, estes argumentos não colhem. No Parlamento, há cerca de duas semanas, José Sócrates explicou que a gestão clínica faz parte do leque de responsabilidades do Estado, por um lado, e, por outro, as poupanças introduzidas pelos privados não compensam os custos administrativos de acompanhar a execução dos contratos.

O primeiro-ministro acrescentou ainda um terceiro argumento para os hospitais que vão ser lançados não terem – à semelhança do que acontece com estes quatro que deverão gerar uma poupança de 777 milhões de euros – a componente da gestão clínica. É que, diz Sócrates, os resultados dos hospitais públicos com gestão empresarial permitem dispensar a presença do sector privado na gestão destes hospitais.

Assim, os hospitais de Todos-os-Santos, do Algarve, de Évora, da Póvoa do Varzim, de Gaia e de Sintra não vão ter gestão privada.

Juntando os resultados acordados entre o Estado e os privados nos quatro hospitais que já foram objecto de concurso, constata-se que o preço oferecido, comparado com o custo em que o Estado incorreria se construísse e gerisse estas unidades de saúde, é bastante mais barato.

Em Vila Franca de Xira, por exemplo, o Grupo Português de Saúde garantiu ao Estado que consegue construir e gerir o hospital  por 435 milhões de euros, quando o Estado calcula que a gestão pública custaria quase 586 milhões.


Os grupos privados que vão gerir os hospitais públicos

1 - Hospitais Privados de Portugal ganharam Cascais
Foi o primeiro contrato a chegar ao fim e mostrou a inovação e consequente lentidão de todo o processo. Depois de apresentadas as propostas, depois de escolhido o melhor concorrente, o Estado e a Hospitais Privados de Portugal (do grupo Caixa Geral de Depósitos) demoraram mais de um ano e meio para acertar todos os pormenores do contrato, que aguarda apenas a validação do Tribunal de Contas para ser oficial. Com 25% de capital alienado à espanhola USP, a HPP é o único grupo privado de saúde com a garantia de ir gerir um hospital.

2 - José de Mello Saúde vai gerir hospital de Braga
Em Braga, a estratégia dos Mellos foi simples: depois de apresentarem uma proposta mais cara que a Espírito Santo Saúde, o grupo desceu o preço em cerca de 30%. Resultado? Ganhou o direito de passar à fase final do concurso, negociando agora todos os aspectos da proposta com o Estado, antes de passar à definição do contrato. A José de Mello Saúde é o maior a operar em Portugal e na península Ibérica. A recente decisão do Governo deixa o grupo sem a gestão do seu hospital mais conhecido, o Amadora-Sintra.

3 - Grupo Português de Saúde quase certo em Vila Franca
O Grupo Português de Saúde disputa com a José de Mello Saúde a passagem à fase final da negociação. Se Salvador de Mello seguir a mesma estratégia de Braga, é de esperar uma redução substancial do preço apresentado pelo consórcio Escala. Em entrevista recente ao Diário Económico, Franquelim Alves mostra-se convicto que não vai haver “predação de preços”. A GPS tem três clínicas em construção no centro do país e o seu cartão de visita é o British Hospital, para além das clínicas Unimed – curiosamente, a de Cascais foi vendida aos Mello.

publicado por MMP às 15:56
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De creditos rapidos a 11 de Fevereiro de 2010 às 16:17
sem dúvida este site contém artigos muito específicos sobre o tema que domina. parabéns ao autor.


Comentar post

.Propósito

Proporcionar aos meus alunos de Direito da Economia da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa um canal de comunicação que complemente as aulas. A intenção é a de ir afixando informação que se relacione com a disciplina de DE e, na medida do possível, contextualizá-la. O envio de comentários ou sugestões é bem-vindo.

.Autor

.posts recentes

. Resolução do caso prático...

. Resolução do caso prático...

. Aula de dúvidas

. Regulação do sistema fina...

. Regulação da energia

. CASO PRÁTICO Nº 4

. Legislação comunitária - ...

. CASO PRÁTICO Nº 3

. Visita à AdC - subturmas

. Visita à Autoridade da Co...

. Caso prático nº 2 - sbts....

. Caso prático nº 2 - sbts....

. Caso prático nº 1 - sbts....

. Caso prático n° 1 - sbts....

. Regulação das comunicaçõe...

. Regulação das comunicaçõe...

. Frequências/Exames de Dir...

. Arredondamentos - regulaç...

. PPPs - Concessões rodoviá...

. Ainda as PPPs na saúde

.links

.pesquisar

 

.arquivos

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008